Reforma da Previdência: momento reforça necessidade de planejar

A perspectiva de uma reforma na Previdência Social tem trazido preocupações para os brasileiros e a disseminação do conceito de que todos nós necessitamos avaliar bem o que estamos fazendo em relação ao planejamento da nossa aposentadoria.

A Previdência Privada passa a ganhar mais espaço na busca pela complementação de renda no futuro. E quanto mais cedo este planejamento financeiro começar, melhor.

Primeiro, devemos partir do fato que a Previdência Social, para uma grande parcela da população ativa, não será suficiente para suprir os gastos na aposentadoria. A Previdência Privada passa a ganhar mais espaço na busca pela complementação de renda no futuro. E quanto mais cedo este planejamento financeiro começar, melhor.

Previdência em dois grandes grupos

A previdência complementar, muitas vezes, é oferecida pela empresa aos seus empregados, em um modelo de trabalho mais tradicional, ou pode ser o fruto de planos contratados individualmente. As entidades de previdência complementar se dividem em dois grandes grupos: entidades fechadas (fundos de pensão ou fundações) e as abertas (PGBL), com planos oferecidos por seguradoras e bancos.

Como consequência, temos dois grupos de pessoas:

  • as que contam com algum incentivo da empresa onde trabalham: na condição de patrocinadora ou instituidora, a companhia oferece um plano de previdência, possibilitando que o colaborador faça sua poupança previdenciária, por vezes contribuindo também (contrapartida)
  • aquelas que dependem exclusivamente da sua própria determinação para planejar e poupar recursos ao longo da vida.

Determinação para planejar: use o tempo a seu favor

Pensando no segundo conjunto de pessoas, que devem olhar para o futuro e decidir pela preparação da aposentadoria, cabe a elas ter uma visão clara de algumas premissas:

  • lembre-se: nunca é cedo demais para começar;
  • tenha atenção na escolha do plano certo, conhecendo todos os custos envolvidos;
  • procure um plano que esteja alinhado à sua realidade, tanto na fase de acumulação, quanto na fase gozo de benefícios.

O que considerar no seu planejamento?

Além do prazo e da sua determinação, é fundamental escolher o produto certo, levando em conta a instituição, o tipo de investimento que se adequa ao seu perfil de risco e o tipo de gestão.

Além do prazo e da sua determinação, é fundamental escolher o produto certo, levando em conta a instituição, o tipo de investimento que se adequa ao seu perfil de risco e o tipo de gestão. Vale notar que as taxas cobradas podem afetar drasticamente o benefício esperado, portanto há vários aspectos a considerar em seu planejamento.

Por ser um investimento de longo prazo, os juros e ganhos financeiros precisam trabalhar para você. Entender as taxas cobradas e como essas afetam seu rendimento é imprescindível.

De modo geral, há duas taxas cobradas:

  • a taxa de carregamento, mais fácil de identificar, que incide sobre o valor das contribuições ou eventualmente sobre o valor do resgate.
  • a taxa de administração financeira, que é aplicada sobre o total dos ativos acumulados.

Cada indivíduo deve avaliar seu momento e buscar o melhor produto. Se você considera previdência privada um assunto complexo, ao invés de adiar, procure um especialista para ajudá-lo. Nós continuaremos a prover informação para você sobre esse tema. O sucesso está no equilíbrio.